O trem foi comprado há mais de um ano e custou cerca de R$20 milhões aos cofres públicos do estado. A denúncia parte dos deputados…

Trem de R$20 milhões é encontrado parado e envelopado há mais de um ano em São Paulo

Trem de R$20 milhões é encontrado parado e envelopado há mais de um ano em São PauloO trem foi comprado há mais de um ano e custou cerca de R$20 milhões aos cofres públicos do estado. A denúncia parte dos deputados…


Trem de R$20 milhões é encontrado parado e envelopado há mais de um ano em São Paulo

Foto: Reprodução/Facebook

O trem foi comprado há mais de um ano e custou cerca de R$20 milhões aos cofres públicos do estado. A denúncia parte dos deputados estaduais do PSOL, Carlos Giannazi e Raul Marcelo.

Nesta quarta-feira (27) os deputados Carlos Giannazi e Raul Marcelo, do PSOL, acompanhados do Sindicato dos Metroviários, realizaram uma visita ao pátio Jabaquara do Metrô, com o objetivo de investigar graves denúncias de improbidade administrativa.

Durante a visita, ambos flagraram um trem parado e completamente coberto. Foi averiguado que ele teria sido comprado no começo do ano passado, pelo valor de R$20 milhões de reais.

Não se sabe o motivo exato pelo qual o trem se encontre “encostado” no pátio, porém ambos os deputados afirmaram que devem acionar o Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado para que seja feita uma rigorosa apuração desse caso.

No final do ano passado, a Promotoria acusou quatro ex-dirigentes do Metrô de São Paulo por improbidade: Sérgio Avelleda, Nelson Scaglione, Sérgio Brasil e José Jorge Fagali.

A acusação ocorre por conta de um suposto ato de improbidade administrativa na contratação sem licitação, em 2005, da MGE Equipamentos Ferroviários — uma das empresas apontadas como integrante do cartel metroferroviário que atuou em São Paulo entre 1998 e 2008, durante os governos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

O promotor também pediu condenação solidária dos acusados ao ressarcimento integral do dano material causado, correspondente à devolução integral de todos os valores despendidos pelo Metrô — cerca de R$7,3 milhões corrigidos.

“Não só se submeteu ao procedimento licitatório viciado. A ele concorreu e o fez de má-fé, esperando captar vantagem indevida. Evidente que auferiu lucro considerável proveniente dos cofres públicos, mas com desfecho de máculas insanáveis. No mínimo, assumiu o risco de arcar com a indubitável responsabilidade de ressarcir integralmente os cofres públicos, se e quando tivesse sua conduta descoberta”, afirmou o promotor de Justiça responsável pela ação, Otávio Ferreira Garcia, da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

By Democratize on April 28, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: