Com paralisação de 4 meses, os professores da rede estadual determinaram nesta quinta-feira (14) continuar a greve, durante votação em…

Professores determinam e greve histórica continua no Rio de Janeiro

Professores determinam e greve histórica continua no Rio de JaneiroCom paralisação de 4 meses, os professores da rede estadual determinaram nesta quinta-feira (14) continuar a greve, durante votação em…


Professores determinam e greve histórica continua no Rio de Janeiro

Foto: Bárbara Dias/Democratize

Com paralisação de 4 meses, os professores da rede estadual determinaram nesta quinta-feira (14) continuar a greve, durante votação em assembleia com mais de mil profissionais da rede estadual de ensino. Uma mobilização histórica que deve marcar o próximo mês no Rio de Janeiro, que receberá os Jogos Olímpicos.


A quadra do Clube Municipal, na Tijuca, estava completamente lotada nesta quinta-feira. Mais de mil profissionais da rede estadual de ensino marcaram presença em mais assembleia organizada pela categoria, que determinou a continuidade da greve, que já dura cerca de 4 meses.

Uma paralisação histórica, em um momento de extrema delicadeza pelo qual passa o Rio de Janeiro, faltando poucas semanas para receber os Jogos Olímpicos, no dia 5 de agosto.

Os servidores exigem a volta do calendário de pagamento de salários para o segundo dia útil do mês — sendo que atualmente, o Estado está pagando no 10º dia útil. Além disso, eles pedem um reajuste de 30%, um terço da carga horária reservado para atividades extra classe, entra outras demandas, como o pagamento de salários atrasados e o fim da precarização da rede estadual de ensino.

Segundo informações dos grevistas, o Estado começou a descontar os dias não trabalhados dos grevistas, em uma atitude considerada autoritária do governo do PMDB no estado. A medida foi autorizada no mês passado pelo Tribunal de Justiça, e os servidores receberam seus salários nesta quinta-feira com valores reduzidos, por conta dos descontos.

Foto: Bárbara Dias/Democratize

E parece que será na Educação que os governos do Rio, estadual e municipal, deverão encontrar mais resistência contra os Jogos Olímpicos.

Além da greve dos professores e dos funcionários da rede, a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) foi ocupada por professores, estudantes e funcionários nesta quarta-feira (13), sendo o prédio principal da universidade, no campus Maracanã.

A ocupação ocorre contra o uso do estacionamento do campus pelo Comitê Olímpico Internacional, o COI.

“Nós fomos informados pela reitoria de que, a partir de 13 de julho, as vagas do estacionamento da Uerj seriam cedidas ao COI até 24 de setembro. A universidade tentou obter uma contrapartida, mas não conseguiu. Esse é o quinto “trancaço” da Uerj, para denunciar o descaso com a universidade. Os salários continuam atrasados, tem professores em estágio probatório que estão sendo ameaçados de demissão”, disse um dos estudantes da UERJ para reportagem do R7.

Foto: Bárbara Dias/Democratize

By Democratize on July 15, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: