Nas últimas semanas houve um aumento expressivo de escolas ocupadas no Rio de Janeiro. Já são 73 até o momento. A onda secundarista do Rio…

Onda secundarista: estudantes já ocupam 73 escolas no Rio de Janeiro

Onda secundarista: estudantes já ocupam 73 escolas no Rio de JaneiroNas últimas semanas houve um aumento expressivo de escolas ocupadas no Rio de Janeiro. Já são 73 até o momento. A onda secundarista do Rio…


Onda secundarista: estudantes já ocupam 73 escolas no Rio de Janeiro

Foto: Gabriel Soares/Democratize

Nas últimas semanas houve um aumento expressivo de escolas ocupadas no Rio de Janeiro. Já são 73 até o momento. A onda secundarista do Rio já balança outros estados, dando fôlego para a luta contra a Máfia da Merenda em São Paulo.

A mobilização contra o sucateamento do ensino no Rio de Janeiro continua com todo vapor. Nesta semana, a mobilização alcançou o número de 73 escolas ocupadas ao redor do estado — é a maior onda de ocupações desde o final do ano passado, quando São Paulo atingiu o número de mais de 200 escolas tomadas pelos estudantes, ultrapassando o estado de Goiás, onde foram cerca de 30.

E pelo o que parece, o número deve aumentar nas próximas semanas.

A mobilização no Rio é tão grande que acaba surtindo efeito até mesmo em São Paulo, estado que inspirou os secundaristas do Rio.

Manifestações ocorrem contra a Máfia da Merenda em São Paulo desde o começo do ano, porém essa mobilização começou a ganhar corpo nas últimas semanas, com protestos ocorrendo basicamente a cada 7 dias na capital.

Além disso, secundaristas já prometem e passam a articular a possibilidade de novas ocupações, tendo em vista a “pizza” na CPI da Merenda na Assembleia Legislativa, onde o governo tucano conta com uma esmagadora maioria de deputados estaduais para melar qualquer investigação interna.

A atriz Leandra Leal, famosa por seu ativismo político nas redes sociais, declarou apoio aos secundaristas do Rio de Janeiro recentemente, em sua página oficial no Facebook.

Isso segue a mesma tendência de São Paulo no ano passado, quando a classe artística se posicionou a favor das ocupações, gerando maior repercussão e dificultando ainda mais a imagem do governo do tucano Geraldo Alckmin.

Outro fator similar é a organização dentro das ocupações.

Estudantes revezam as responsabilidades internas de cada ocupação: limpar banheiro, cuidar do almoço, passar vassoura, etc. Assim como em São Paulo, vários casos de equipamentos e materiais escolares “escondidos” pelas diretorias já ocorreram no Rio, sendo flagrado por estudantes durante as ocupações.

Para acompanhar a mobilização dos secundaristas no Rio de Janeiro, veja o mapa abaixo (desatualizado) e saiba quais escolas foram ocupadas:

By Democratize on April 24, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: