Não foi só no Brasil. A esquerda norte-americana acusou a campanha de Hillary Clinton de promover um verdadeiro golpe nas primárias de Nova…

Nas primárias dos Democratas em Nova Iorque também “teve golpe”

Nas primárias dos Democratas em Nova Iorque também “teve golpe”Não foi só no Brasil. A esquerda norte-americana acusou a campanha de Hillary Clinton de promover um verdadeiro golpe nas primárias de Nova…


Nas primárias dos Democratas em Nova Iorque também “teve golpe”

Foto: Barry Yanowitz

Não foi só no Brasil. A esquerda norte-americana acusou a campanha de Hillary Clinton de promover um verdadeiro golpe nas primárias de Nova Iorque na terça (19), quando mais de 100 mil eleitores independentes foram barrados ao votar no estado.

A derrota de Bernie Sanders em Nova Iorque ainda ecoa nas ruas do estado e de todo o país.

Com 42% dos votos, o socialista Bernie Sanders perdeu as primárias do estado para a ex-secretária Hillary Clinton, que contou com 58% dos votos. Uma diferença razoável. Na prática, Clinton contou com 1.054.083 votos, enquanto Sanders com 763.469 votos. A pré-candidata, com esse resultado, levou 139 delegados de Nova Iorque, e Sanders apenas 108.

Mas poderia ser diferente. Não o suficiente para evitar, talvez, a derrota de Sanders no estado. Mas 125 mil eleitores independentes, em sua maioria pró-Sanders, foram barrados ao tentar votar nas primárias do partido nesta terça (19), o que lhe renderia uma diferença menor com Clinton, aumentando o seu número de delegados.

Representando a Controladoria de Nova Iorque, Scott Stringer tinha encomendado uma auditoria das operações do conselho eleitoral da cidade depois que ele confirmou a notícia de que mais de 125 mil eleitores do Brooklyn haviam sido removidos da lista de eleitores. Em uma carta dirigida a Michael Ryan, diretor do Conselho Estadual de Eleições, Stringer expressou “profunda preocupação com relatos generalizados de irregularidades na votação”.

Relatos afirmam que foi, realmente, bizarro. Os defensores de Sanders já estavam preparados para votar na mesa quando foram barrados por seguranças e funcionários do partido, sob a acusação de que sem filiação não seria permitido o voto.

“Como o resultado de hoje demonstra diversas irregularidades, meu escritório irá fiscalizar a administração e as operações do órgão da Justiça Eleitoral, a fim de identificar falhas e fazer recomendações para melhorar o desempenho daqui pra frente”, escreve na carta Stringer. “Como estou certo que você concordaria, se você é um democrata ou um republicano, seja como for, todo nova-iorquino merece um sistema eleitoral que é livre, justo e eficiente — e não um mar de lama e confusão”.

At the Brooklyn Board of Elections right now …
At the Brooklyn Board of Elections right now. 125,000 voters inexplicably had their registrations dropped, party…www.facebook.com

Já o prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio, afirmou os os “numerosos erros” nas listas de eleitores no Brooklyn foram a evidência necessária para que grandes reformas comecem a acontecer no conselho eleitoral e na lei estadual — “A percepção de que vários eleitores podem ter sido marginalizados mina a integridade de todo o processo eleitoral e deve ser corrigido”, disse De Blasio, em comunicado.

O site de esquerda US Uncut chamou as primárias de Nova Iorque de um “desastre total”.

Outras reclamações também ocorreram. Eleitores registrados chegavam nas mesas de voto alegando que tinham cumprido todos os requisitos para a filiação partidária, mas ainda se encontravam ausentes na lista. Analistas afirmam que tal cenário demonstra uma tremenda dificuldade em reconciliar as duas alas do Partido Democrata, uma vez que a indicação para a candidatura presidencial for decidida.

Existe um grande temor na ala mais “política” do partido de que caso Hillary Clinton vença as primárias, muitos apoiadores de Sanders deixem de votar na ex-secretária, por conta do “jogo sujo” praticado por ela nas primárias.

A atriz Susan Sarandon, defensora de Sanders, recentemente afirmou em entrevista que não iria tolerar a candidatura de Clinton nas eleições presidenciais, e que entenderia completamente se um democrata resolvesse votar no republicano Donald Trump caso a ex-secretária fosse sua rival nas eleições. A entrevista gerou grande repercussão no país.

Veja abaixo um vídeo divulgado massivamente nas redes sociais, explicando o “golpe” dado contra Sanders em Nova Iorque:

By Democratize on April 21, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: