A sem-teto Edilma Aparecida, de 36 anos, foi baleada com tiro letal durante uma manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto nesta…

Militante do MTST é baleada em protesto: movimento acusa “grupo fascista”

Militante do MTST é baleada em protesto: movimento acusa “grupo fascista”A sem-teto Edilma Aparecida, de 36 anos, foi baleada com tiro letal durante uma manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto nesta…


Militante do MTST é baleada em protesto: movimento acusa “grupo fascista”

Foto: Reinaldo Meneguim/Democratize

A sem-teto Edilma Aparecida, de 36 anos, foi baleada com tiro letal durante uma manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto nesta quarta (4), na cidade de Itapecerica da Serra. O tiro saiu de um carro preto — militantes chamam ação de fascista.

O MTST realizava uma manifestação nesta quarta-feira na cidade de Itapecerica da Serra, região metropolitana de São Paulo, quando a sem-teto Edilma Aparecida Vieira dos Santos foi baleada. Os tiros partiram de um carro identificado pelo grupo — um Corsa preto com placa EQZ 8730.

Edilma foi encaminhada para o Pronto Socorro Municipal de Itapecerica logo em seguida, e o movimento já exige explicações e investigações por parte do Estado.

Militantes acusaram a provável participação de um “grupo fascista”, articulado com fins políticos e partidários na região, para calar a voz dos movimentos sociais em favor dos donos de terra e de propriedades.

Cerca de 500 pessoas participavam do protesto do movimento, que seguia até a Prefeitura de Itapecerica. Por sua vez, a prefeitura informou que o prefeito receberia os sem-teto para reunião sobre moradia no início da tarde.

Não é a primeira vez que grupos criminosos com fins políticos atuam desta forma contra movimentos sociais.

Recentemente, foi o Movimento Sem-Terra (MST) que sofreu com a violência no campo.

No dia 7 de abril deste ano, uma emboscada da Polícia Militar contra um protesto do MST no Paraná acabou deixando dois militantes mortos e pelo menos seis feridos. A PM utilizou arma letal contra o grupo.

Possíveis novos aliados do vice-presidente Michel Temer já determinaram exigências ao “futuro presidente” para que a aliança se concretize. A chamada “Bancada do Boi” exigiu que as Forças Armadas tenham maior participação nos “conflitos por terra” — ou seja, pedem a institucionalização da violência contra camponeses no campo. O mesmo deve partir dos proprietários de grandes terrenos nas cidades contra os movimentos sem-teto.

Trata-se de uma verdadeira ofensiva contra os movimentos sociais, que a cada dia acaba ganhando mais força.

Em Itapecerica, a militante do MTST atingida passa por cirurgia. As delegacias da cidade ainda não registraram a ocorrência.

By Democratize on May 4, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: