Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e outras cidades tiveram manifestações contra o aumento das passagens nos últimos dias. Na capital…

Mídia “esconde” protestos contra a tarifa ao redor do país

Mídia “esconde” protestos contra a tarifa ao redor do paísRio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e outras cidades tiveram manifestações contra o aumento das passagens nos últimos dias. Na capital…


Mídia “esconde” protestos contra a tarifa ao redor do país

Foto: Chico Peixoto/Estadão

Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e outras cidades tiveram manifestações contra o aumento das passagens nos últimos dias. Na capital do Pernambuco, houve repressão. Mas os grandes veículos de comunicação estão preferindo “esconder” os protestos, com notícias de rodapé, enquanto o foco dos editoriais se mantém em Brasília pelo impeachment.

No dia 15 de janeiro, quase mil pessoas participaram de uma manifestação contra o aumento da tarifa no Recife, capital do estado de Pernambuco. O aumento, que ainda não foi definido, está sendo discutido nesta segunda-feira (18) no Conselho Superior de Transporte Metropolitano.

Nesta manifestação, o que mais chamou a atenção foram dois tratamentos dados por instituições diferentes: a polícia e a grande imprensa.

A polícia seguiu o mesmo modelo de repressão já vistos nos protestos contra o aumento em São Paulo e Rio de Janeiro neste ano, com dois manifestantes sendo presos de forma arbitrária após o início do confronto.

Já a grande mídia preferiu não noticiar nacionalmente as manifestações, colocando como foco regional. Desta forma, acabam abafando uma possível nova onda de manifestações contra o aumento das passagens no transporte público, direcionando seu completo foco na possibilidade de impeachment da presidenta Dilma Rousseff — e não por acaso, influenciando a opinião pública sobre que “os protestos da tarifa são menos importantes” do que os protestos que virão no mês de março, contra o governo federal.

Trata-se da mesma mídia que acaba de colocar dentro de seu quadro de colunistas, uma vez já ocupado por grandes nomes, o líder do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri. Mesmo movimento que tem colocado infiltrados como “imprensa” dentro das manifestações do Movimento Passe Livre em São Paulo para deslegitimar e distorcer informações, que não são sequer apuradas.

Veja o vídeo da repressão enfrentada em Recife pelos manifestantes, no dia 15 de janeiro:

Já em Belo Horizonte, onde uma nova série de protestos contra o aumento tem ocorrido neste mês de janeiro, a atenção tem sido ainda menor pela mídia em nível nacional, sendo que trata-se do aumento mais absurdo: já é o terceiro em apenas um ano.

Até mesmo o Rio de Janeiro, palco das grandes manifestações que ficaram marcadas na história em 2013 — contra o aumento da tarifa, contra o então governador Sérgio Cabral e posteriormente durante a greve dos professores da rede estadual — ficou de fora da cobertura da grande imprensa, sendo que manifestações contra o aumento tem ocorrido com tanta frequência quanto em São Paulo, e levando milhares de pessoas para as ruas novamente.

O quarto grande ato contra o aumento das passagens em São Paulo ocorrerá amanhã, dia 19 de janeiro, às 17 horas no cruzamento da Av. Faria Lima com a Rebouças — um ponto estratégico para travar o trânsito em uma das vias mais importantes da cidade. Porém, utilizando o evento no Facebook como fonte, são esperadas menos de 5 mil pessoas.

Apesar do temor de que as manifestações percam a força, outros movimentos como o MTST já fizeram questão de levantar a bandeira a auxiliar o Movimento Passe Livre na jornada de luta. O movimento de Guilherme Boulos convocou uma manifestação simultânea com a do MPL, com o chamado de que “a periferia também se levantará contra o aumento das passagens”.

Foto: Alice V/Democratize

By Democratize on January 18, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: