Poucas pessoas tiveram a espécie de ‘endeusamento’ que Joaquim Barbosa teve por setores da sociedade em nossa história recente. De herói da…

Joaquim Barbosa: o ‘herói’ abandonado pela direita por ser contra o impeachment

Joaquim Barbosa: o ‘herói’ abandonado pela direita por ser contra o impeachmentPoucas pessoas tiveram a espécie de ‘endeusamento’ que Joaquim Barbosa teve por setores da sociedade em nossa história recente. De herói da…


Joaquim Barbosa: o ‘herói’ abandonado pela direita por ser contra o impeachment

Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

Poucas pessoas tiveram a espécie de ‘endeusamento’ que Joaquim Barbosa teve por setores da sociedade em nossa história recente. De herói da moral contra a corrupção, hoje o ex-ministro do STF é abandonado pela direita que o vangloriava, simplesmente por ser contra o impeachment de Dilma Rousseff.


A história de Joaquim Barbosa daria um filme.

Não pela figura em particular, mas sim por ter se posicionado de forma firme em diferentes momentos de nossa história — e ter pagado por isso.

Se no governo Lula a imagem do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal era religiosamente seguida por certos grupos da sociedade, hoje a situação é diferente — justamente por contrariar os interesses daquele grupo que tanto o apoiava no passado.

Por variadas vezes nos últimos meses, Barbosa se tornou um fiel crítico do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. E não temeu, em momento algum, se declarar contra a vontade da ampla maioria de seus seguidores — composto principalmente por segmentos da direita anti-petista, incluindo até mesmo os “mais radicais”, pró-intervenção militar.

Mais recentemente, o ex-ministro chegou a defender a realização de novas eleições para a presidência da República, por não reconhecer a legitimidade de Michel Temer ocupando o cargo mais importante do país.

“Aquilo ali era uma pura encenação para justificar a tomada do poder”, disse o ex-ministro em entrevista para a imprensa durante evento com empresários, sobre a votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff pelo Senado Federal.

“Colocar no lugar do presidente alguém que ou perdeu uma eleição presidencial para o presidente que está saindo, ou alguém que sequer um dia teria o sonho de disputar a eleição para a presidente da república. O Brasil, anotem, terá de conviver por mais de 2 anos com essa anomalia”, disse aos empresários no evento em São Paulo um dia após o afastamento de Dilma, no dia 12 de maio.

De lá pra cá, sua postura se manteve cada vez mais direcionada contra o presidente interino Michel Temer.

Logo após a exoneração do ex-ministro Romero Jucá, Barbosa criticou o governo interino, afirmando: “Bem, eu avisei”, em sua conta oficial no Twitter.

Seu posicionamento gerou repercussão, e a “decepção” de seus antigos seguidores, que afirmaram que o ex-ministro, aposentado, hoje busca apenas a atenção dos holofotes.

Sessão de comentários na notícia do jornal O Povo, sobre sua declaração após a exoneração de Jucá

“Essa crise tem nos mostrado que o nosso capitalismo é manco, que o patrimonialismo, que a promiscuidade entre o público e o privado continuam dando o tom. Essa crise política tem mostrado que por baixo do Brasil oficial existe um Brasil clandestino, nem um pouco transparente e fraudulento”, declarou Barbosa no começo do mês de junho, durante evento em Aracaju.

Em seu discurso, criticou mais uma vez o grupo político que “não foi capaz de vencer um processo eleitoral” para “tomar o poder”, articulando então através de bastidores sem a participação popular um novo governo.

Mas como tem sido a reação de seus antigos seguidores, em sua maioria pró-impeachment de Dilma Rousseff, sobre o posicionamento de seu antigo herói?

Em um vídeo no Youtube, onde aparece o ex-ministro criticando o processo de impeachment contra Dilma, os comentários são agressivos, seguindo a lógica já apresentada anteriormente, de que para seus antigos seguidores, o ex-ministro hoje “busca holofotes”.

O processo de endeusamento de Joaquim Barbosa é repetido com outra figura pública nos dias de hoje: o juiz Sérgio Moro.

De forma até religiosa, Moro é citado em praticamente todas as manifestações contra a presidente Dilma Rousseff, com cartazes, gritos de guerra e até mesmo estampando camisetas.

Porém, a tendência é que siga exatamente o mesmo percurso de Barbosa: uma vez idolatrado, corre o risco de ser descartado após o grupo que o segue conseguir seu objetivo. Ainda mais se a operação Lava Jato alcançar o novo governo, ou até mesmo figuras importantes do PSDB.

Pouco se sabe, por exemplo, sobre o posicionamento de Moro em relação a temas polêmicos e delicados para a direita, como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, ou a legalização das drogas, do aborto, do porte de armas, e até mesmo questões religiosas.

Hoje, é Joaquim Barbosa a “decepção” da direita brasileira. Mas no futuro, a “vítima” da vez pode ser o seu atual herói.

By Democratize on August 11, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: