Foto: Bárbara Dias/Democratize

Já são mais de 800 escolas ocupadas no Brasil contra Temer

O que começou como uma onda de ocupações no estado do Paraná, acabou se tornando uma verdadeira mobilização nacional contra a reforma no Ensino Médio. Já são mais de 800 escolas ocupadas em todo o país, além de manifestações e paralisações praticamente diárias contra o projeto defendido pelo presidente Michel Temer (PMDB).

A onda de ocupações nas escolas públicas do Brasil continua a todo vapor.

Em todo o país, o número chegou a 800 escolas ocupadas, segundo informações de Camila Lanes, da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas).

Só no estado do Paraná, onde a mobilização começou, já são mais de 600 escolas. A mobilização tem dado dor de cabeça para o governador do estado, Beto Richa (PSDB), que já ficou conhecido nacionalmente em 2015, após ter reprimido violentamente a greve dos professores da rede estadual.

Além das escolas estaduais, pelo menos nove universidades e dois Núcleos de Educação também estão ocupados no Paraná.

Foto: Bárbara Dias/Democratize

O motivo é a reforma no Ensino Médio, promovida pelo governo federal de Michel Temer (PMDB). A medida provisória é vista por especialistas como um retrocesso na educação brasileira. Anteriormente, o projeto era visto de forma ainda pior, com a possibilidade das aulas de Sociologia, Artes, Educação Física e diversas outras deixarem de ser obrigatórias na grade escolar. Após a polêmica, o governo afirma ter recuado. Porém, o aumento da carga horária semanal continua.

A intenção dos estudantes no Paraná é pressionar o governador tucano a realizar uma conferência em que os estudantes poderão apresentar uma contraproposta à MP do Ensino Médio. Porém, por repetidas vezes, Richa tentou criminalizar a mobilização dos secundaristas, afirmando que os protestos ocorrem “sem motivo”.

Pressionado, Richa chegou a se reunir com o Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para tratar sobre o tema. Porém, não foi o suficiente para brecar a mobilização: escolas também estão sendo ocupadas em todo o país agora, chegando a ultrapassar 800 unidades. Isso além dos protestos e paralisações, que ocorrem praticamente todos os dias ao redor do país.

Nesta terça-feira (18) foi a vez dos secundaristas pararem as ruas do Rio de Janeiro, em uma manifestação que contou com centenas de pessoas.

Foto: Bárbara Dias/Democratize

O ato no Rio teve sua concentração na Candelária, caminhando até a Central do Brasil. Apesar do forte policiamento, não houve qualquer conflito entre os estudantes e a Polícia Militar — diferente do que havia acontecido no dia anterior, quando pelo menos 7 mil pessoas que protestavam contra a PEC 241 foram reprimidas pela polícia por causa do trajeto.

No mesmo dia, secundaristas também protestaram em São Paulo contra a MP do Ensino Médio.

Apesar do ato ter se encerrado de forma pacífica, estudantes foram agredidos por seguranças do Metrô após uma tentativa de “catracaço”.

Ambas as manifestações também tocaram em outros temas, como a própria PEC 241, que pretende congelar o orçamento da União em Educação por pelo menos 20 anos.

Foto: Bárbara Dias/Democratize

Ao mesmo tempo no Paraná, professores decidiram entrar em greve contra a MP do Ensino Médio e por melhores condições de trabalho.

A paralisação já atinge 50% das escolas no estado, segundo informações da própria Secretaria da Educação.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: