Em entrevista com a revista Calle2, o escritor Frei Betto alertou sobre os perigos da atual conjuntura política nacional: “Nós já vimos…

Em entrevista, Frei Betto diz temer que crise política leve um “salvador da pátria” ao poder

Em entrevista, Frei Betto diz temer que crise política leve um “salvador da pátria” ao poderEm entrevista com a revista Calle2, o escritor Frei Betto alertou sobre os perigos da atual conjuntura política nacional: “Nós já vimos…


Em entrevista, Frei Betto diz temer que crise política leve um “salvador da pátria” ao poder

Foto: Alexandre Campbell

Em entrevista com a revista Calle2, o escritor Frei Betto alertou sobre os perigos da atual conjuntura política nacional: “Nós já vimos esse filme, né? Aquele que chamavam de “caçador de marajás”. Esse caldo de cultura pode desembocar em um fascistoide nas eleições de 2018 ou até antes, caso a chapa Dilma-Temer seja cassada”.

Considerado pelos petistas uma das figuras mais importantes da história do partido, o escritor Frei Betto parece não aprovar a atual situação na qual se encontra o debate político brasileiro.

Em entrevista com a revista Calle2, o temor sobre a possível ascensão de uma figura populista de extrema-direita é apenas um dos variados “sinais vermelhos” em torno da polarização do debate político no Brasil. Segundo o escritor, a insatisfação em relação ao governo de Dilma Rousseff opera por meio do poder das elites com a grande mídia, mas que isso sai do controle desses setores quando surge um “salvador da pátria”.

“Nós já vimos esse filme, né? Aquele que chamavam de “caçador de marajás”. Esse caldo de cultura pode desembocar em um fascistoide nas eleições de 2018 ou até antes, caso a chapa Dilma-Temer seja cassada. Se isso acontecer, o Congresso precisa convocar eleições em até 90 dias, e parece que essas eleições são indiretas.”

O clima de tensão política pôde ser visto mais na sexta-feira passada, quando o ex-presidente Lula foi conduzido pela Polícia Federal para prestar depoimento no aeroporto de Congonhas, em uma nova fase da Operação Lava Jato.

Do lado de fora do seu prédio, manifestantes pró e contra o governo petista trocaram farpas e agressões.

Para o dia 13 de março, uma grande manifestação pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff é esperada em diversas capitais. Em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) já afirmou que não irá permitir atos pró-PT na Avenida Paulista neste domingo, onde deve ocorrer a manifestação pró-impeachment.

Questionado sobre a possibilidade de Dilma sair do cargo, Frei Betto foi bem claro: “Não há nenhuma política para se chegar ao impeachment de Dilma Rousseff, embora ela esteja perdida”. Ele critica o abandono do projeto político da presidenta durante as eleições de 2014, apontando o ajuste fiscal, “que penaliza o mais pobre”.

“Quem vai ocupar o lugar dela? O Michel Temer e o PMDB? Se o Michel Temer assumir a presidência, será capaz de fazer algo melhor? Ninguém acredita nisso, porque ele não tem projeto e ainda vai precisar administrar uma orquestra desafinada enorme chamada PMDB com toda a sua ganância por cargos.”

Frei Betto ainda criticou a oposição, principalmente os tucanos: “O PSDB quer o poder pelo poder. Não há projeto”. O escritor ainda comparou a atuação política dos tucanos com as manifestações de junho de 2013, “em que havia milhões de pessoas nas ruas e nenhum discurso, nenhum líder, nenhum partido e nenhuma bandeira”, com “nenhuma proposta”.

Para ler a entrevista completa, clique aqui.

By Democratize on March 9, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: