Prefeito de Chiador em Minas Gerais, Moisés da Silva Gumiere, e o militante ativista Luiz Antônio Bonfim foram assassinados na última…

Dois membros do PCdoB são assassinados em uma semana

Dois membros do PCdoB são assassinados em uma semanaPrefeito de Chiador em Minas Gerais, Moisés da Silva Gumiere, e o militante ativista Luiz Antônio Bonfim foram assassinados na última…


Dois membros do PCdoB são assassinados em uma semana

Foto: Reprodução/PCdoB

Prefeito de Chiador em Minas Gerais, Moisés da Silva Gumiere, e o militante ativista Luiz Antônio Bonfim foram assassinados na última semana. Para membros do partido, trata-se de uma perseguição política contra a esquerda no Brasil.

Os assassinatos seguiram de motivação política: Luiz Antônio esteve à frente de uma ocupação sem terra na comunidade de Brejo Grande do Araguaia, sendo morto a tiros na cabeça por dois motoqueiros enquanto comprava pão em um estabelecimento na cidade. Amigos e familiares acusam uma retaliação que teria partido de fazendeiros por conta do conflito agrário na região — a Polícia Civil nega.

O prefeito Gumieri, de apenas 36 anos, foi assassinado seguindo o mesmo padrão: homens armados em uma motocicleta deram os tiros. O deputado federal do PCdoB, Wadson Ribeiro, emitiu uma nota na quarta-feira (10) sobre o ocorrido:

“É com grande pesar que, em nome do PCdoB-Minas, manifesto a irrestrita solidariedade dos comunistas mineiros à família do prefeito da cidade de Chiador, Moisés da Silva Gumieri, assassinado na noite da última terça-feira (9).

Em dezembro do ano passado, o prefeito Moisés oficializou seu ingresso às fileiras partidárias do PCdoB. A trajetória política de Moisés em defesa da população de Chiador honra as nossas históricas bandeiras de luta por um mundo melhor.

O PCdoB-Minas se une neste momento de grande tristeza para exigir a apuração de todos os fatos que culminaram neste de inexplicável ato de violência. Camarada Moisés presente!”

Os assassinatos contra membros do PCdoB em um curto período de tempo seguem o mesmo padrão, e além disso, fortalecem a noção de que o país vive uma de suas maiores crises de classes das últimas décadas.

A radicalização de setores de direita, reforçados por discursos de congressistas como Jair Bolsonaro e o recém-criado Partido Militar, acaba tornando a política um negócio perigoso no Brasil.

São muitos os casos de perseguição contra partidos de esquerda ocorridos recentemente: sedes do Partido dos Trabalhadores e do PSTU foram invadidas e vandalizadas nos últimos dois anos, além de ameaças contra jornalistas progressistas como Leonardo Sakamoto e até mesmo congressistas como o deputado federal Jean Wyllis, do PSOL.

By Democratize on February 15, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: