Para o domingo (03), organizações de extrema-direita pretendem realizar uma manifestação em defesa do deputado Jair Bolsonaro (PSC), alvo…

Contra ato em defesa de Bolsonaro, bloco antifascista organiza protesto em São Paulo

Contra ato em defesa de Bolsonaro, bloco antifascista organiza protesto em São PauloPara o domingo (03), organizações de extrema-direita pretendem realizar uma manifestação em defesa do deputado Jair Bolsonaro (PSC), alvo…


Contra ato em defesa de Bolsonaro, bloco antifascista organiza protesto em São Paulo

Foto: Felipe Malavasi/Democratize

Para o domingo (03), organizações de extrema-direita pretendem realizar uma manifestação em defesa do deputado Jair Bolsonaro (PSC), alvo do Supremo Tribunal Federal (STF). Grupos antifascistas prometem protestar no mesmo dia e na mesma avenida.


Os extremos devem ocupar as ruas de São Paulo neste fim de semana.

Após ser alvo de duas ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF), defensores do deputado Jair Bolsonaro (PSC) organizaram no Facebook um evento que deve ocorrer na cidade neste domingo (03), em frente ao prédio da Fiesp.

Até o momento, mais de 3 mil pessoas confirmaram presença no protesto, convocado por uma página chamada “Dilma Inflada”.

No perfil, entre postagens sensacionalistas e de ofensas ao Partido dos Trabalhadores, um dos posts diz: “Os imundos querem ditadura? Pois então terão”.

Após a confirmação do ato, grupos antifascistas organizaram uma grande manifestação, convocada para o mesmo dia, com o diferencial de ser no vão livre do Masp — poucas quadras de distância do prédio da Fiesp.

Não é a primeira vez que blocos antifascistas, conhecidos pelo seu apartidarismo e autonomia em relação aos movimentos sociais e partidos políticos, organizam uma manifestação neste ano. No dia 30 de abril, mais de mil pessoas participaram da Marcha Antifascista, que tinha como alvo o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff — que seria aprovado menos de duas semanas depois em Brasília, pelo Senado Federal.

Na descrição do evento, os grupos que fazem parte da organização antifascista dizem que o “ato pretende sair logo em seguida dos fascistas”, indicando que a marcha deve seguir posteriormente a Consolação, terminando na Praça da República.

Os processos contra o deputado estão relacionados com o caso envolvendo a deputada Maria do Rosário (PT) em 2014. Na época, Bolsonaro disse que a deputada petista “não merecia ser estuprada”, porque a considerava “muito feia” e que “não fazia seu tipo”. A declaração acabou gerando grande comoção nas redes sociais e na opinião pública, porém só nas últimas semanas o Supremo Tribunal Federal deu andamento aos processos.

Jovem agredido durante protesto contra Dilma, no mês de março | Foto: Felipe Malavasi/Democratize

Relator do caso, o ministro Luiz Fux disse:

“A manifestação teve o potencial de incitar homens a vulnerar a fragilidade de outras mulheres […]. ‘Se ela merecesse, eu estupraria’. É o que está dito em suas palavras implicitamente. Então, deve haver merecimento para ser vítima de estupro. As palavras do parlamentar podem ser interpretadas no sentido de que uma mulher não merece ser estuprada se é feia. Estaria em posição de avaliar quando a mulher mereceria ser estuprada. Atribui às vítimas merecimento do sofrimento que lhe seja infligido”

Segundo a página que convoca o ato em defesa de Bolsonaro, o STF age no “meio da ação revolucionária e perseguirá qualquer político que agir contra essa malfadada revolução”.

By Democratize on June 30, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: