Em entrevista exclusiva, um dos nomes mais fortes da esquerda no Brasil afirma que é preciso enfrentar a ofensiva conservadora, tanto do…

Boulos critica austeridade, e MTST se levanta contra os cortes

Boulos critica austeridade, e MTST se levanta contra os cortesEm entrevista exclusiva, um dos nomes mais fortes da esquerda no Brasil afirma que é preciso enfrentar a ofensiva conservadora, tanto do…


Boulos critica austeridade, e MTST se levanta contra os cortes

Foto: Shlo — Ivan Valente

Em entrevista exclusiva, um dos nomes mais fortes da esquerda no Brasil afirma que é preciso enfrentar a ofensiva conservadora, tanto do governo quanto da oposição. Segundo ele, os cortes anunciados pelo governo petista significa um grande retrocesso — mas é preciso tomar cuidado.

Neste sábado, o Democratize entrevistou Guilherme Boulos, ícone do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). A entrevista foi feita na sede do movimento, na cidade de Taboão da Serra. Entre reuniões, almoço e crianças correndo pela casa, Boulos não fugiu de nenhuma pergunta — inclusive sobre o possível “corpo mole” do qual alguns grupos de esquerda acusam o MTST de fazer com o governo petista de Dilma Rousseff.

A entrevista ocorre poucos dias após o anuncio do governo federal de cortes no orçamento, atingindo o número de mais de 25 bilhões de reais para o próximo ano de 2016. Um dos programas afetados pela nova onda de austeridade anunciado governa administração petista é justamente um dos símbolos do governo do PT: o programa Minha Casa Minha Vida.

Diante de tal cenário, o MTST deve voltar a ocupar as ruas contra a ofensiva neoliberal da gestão Rousseff: “Além de jogar o preço da crise no colo dos mais pobres, ele gera recessão, desemprego e um desajuste fiscal. O mais impressionante de um ajuste como esse, é que ele é sequer eficaz para equilibrar as contas, porque na medida em que aumenta juros, ele retrai a arrecadação…”, afirma Boulos quando questionado sobre o pacote de cortes anunciado na semana passada.

Ele ainda aponta que com tal política adotada pelo governo federal, o único campo social que “sai ganhando” com a crise é a classe mais rica da sociedade: os banqueiros e grandes empresários — “Todos nós, o conjunto do povo brasileiro, os setores médios inclusive, os mais pobres, perdem com essa política de austeridade”.

Foto: Gabriel Soares

Além disso, Boulos também apontou algumas diferenças vitais entre a mobilização de grupos de direita contra o governo Dilma e a luta do MTST e demais movimentos sociais de esquerda contra a política aplicada na administração petista. Nas comparações, o líder do MTST alertou sobre o possível flerte de “setores da esquerda” com a mobilização de direita, criticando a ingenuidade de tais grupos em “achar que podem pegar uma fatia do bolo”, ou seja, conquistar parte da massa de classe média que tem ido para as suas contra Dilma, através de seu discurso de oposição pela esquerda.

Veja a entrevista completa:

By Democratize on September 22, 2015.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: