Seguindo os passos de outros grupos mais importantes que articularam as manifestações contra Dilma Rousseff, o líder do Revoltados Online…

Após ser expulso da própria manifestação, líder do Revoltados Online vai pra política

Após ser expulso da própria manifestação, líder do Revoltados Online vai pra políticaSeguindo os passos de outros grupos mais importantes que articularam as manifestações contra Dilma Rousseff, o líder do Revoltados Online…


Após ser expulso da própria manifestação, líder do Revoltados Online vai pra política

Foto: Reprodução/CC

Seguindo os passos de outros grupos mais importantes que articularam as manifestações contra Dilma Rousseff, o líder do Revoltados Online deve entrar para a política — mesmo após ser expulso da própria manifestação meses atrás. Junto com Alexandre Frota, Reis esteve em uma “reunião extraordinária” com os ministros da Educação e da Cultura nesta quarta (25).


O negócio do impeachment nunca deu tão certo em um país quanto no Brasil.

Pelo menos para quem organizou manifestações contra a presidente afastada Dilma Rousseff (PT).

Depois do Movimento Brasil Livre oficializar a futura candidatura de membros do grupo nas eleições municipais deste ano através de partidos como DEM e PMDB, agora é a vez de Marcelo Reis, líder do grupo de extrema-direita “Revoltados Online” seguir os mesmos passos.

Nesta quarta-feira (25), Marcelo Reis e outros membros do grupo — como o ex-ator pornô Alexandre Frota — estiveram em Brasília para se reunir com lideranças políticas.

Em uma “reunião extraordinária”, o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM) recebeu ambos para tratar sobre “a educação pública no Brasil”. Logo depois, foi a vez dos dois serem recebidos no Ministério da Cultura.

Reis tenta encabeçar sua tentativa pessoal de construir seu partido próprio partido político — de nome PROL (Povo Revoltados On Line), seguindo o caminho oposto das demais lideranças pró-impeachment de Dilma, que preferiram aderir em partidos já existentes — como foi o caso do Movimento Brasil Livre.

A política não foi o “primeiro negócio” de Reis.

Antes de iniciar o grupo, ele criou diversos sites com opotunidades de negócio “incríveis”. Desde ofertas de precatórios federais, créditos de ICMS e até mesmo vendas de apartamentos no exterior. O líder do Revoltados Online possui uma extensa “ficha corrida” de tentativas de golpe pela internet.

Nas ações de Marcello Reis, é possível verificar diversos indícios de fraude. Em todos eles, Reis utiliza símbolos de órgãos do governo tentando vincular sua imagem a instituições reguladoras, como Banco Central, CVM e Receita Federal. Além disso, alega fazer parte de uma organização formada por “renomados” profissionais.

Mas nem sempre foram dias de alegria para o líder do grupo de extrema-direita.

Incapaz de controlar os próprios manifestantes, Marcelo Reis foi expulso de um protesto na Avenida Paulista convocado pelo próprio grupo, em março deste ano — após a publicação da gravação entre o ex-presidente Lula e a presidente afastada Dilma Rousseff.

Sem a capacidade de articular a saída dos manifestantes da Paulista, que estava ocupada por mais de 30 horas até aquele momento, Reis foi chamado de “petista” e “amigo do Aécio” pelos manifestantes, e teve de sair escoltado pela Polícia Militar, enquanto sofria agressões físicas e verbais. Veja o vídeo abaixo, do Democratize.

By Democratize on May 25, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: