Ex-colegas, lideranças e páginas de direita começam a articular ataques contra a jornalista Patrícia Lelis, suposta vítima de estupro e…

Após caso envolvendo Feliciano, lideranças e páginas de direita atacam vítima

Após caso envolvendo Feliciano, lideranças e páginas de direita atacam vítimaEx-colegas, lideranças e páginas de direita começam a articular ataques contra a jornalista Patrícia Lelis, suposta vítima de estupro e…


Após caso envolvendo Feliciano, lideranças e páginas de direita atacam vítima

Foto: Alan Sampaio/iG Brasília

Ex-colegas, lideranças e páginas de direita começam a articular ataques contra a jornalista Patrícia Lelis, suposta vítima de estupro e agressão pelo deputado Marco Feliciano (PSC).


Por Francisco Toledo

Em sua última postagem, a jornalista Patrícia Lelis lamentava as mensagens de ódio nas redes sociais, enviadas por ex-seguidores e partidários do deputado Marco Feliciano. Na manhã desta terça-feira (9), a suposta vítima de estupro e agressão pelo pastor resolveu fechar sua página oficial no Facebook.

A última semana foi de reviravoltas na vida de Patrícia.

Até pouco tempo atrás, a jornalista era uma figura de destaque no PSC em Brasília. Participava ativamente da articulação da CPI da UNE (União Nacional dos Estudantes), uma das principais bandeiras da direita. Cristã militante, se posicionava abertamente contra os movimentos feministas e o aborto.

Hoje, é a própria esquerda que carrega nas costas o dever de proteger Patrícia — tanto institucionalmente, como é o caso da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), que pediu que o Ministério Público Federal investigasse a denúncia contra Feliciano, e também na militância nas redes sociais, protagonizada por páginas feministas que acusam o deputado de estupro e agressão contra a jornalista.

Em entrevista no Congresso Federal, feita na tarde desta segunda-feira (8), Patrícia deixou bem claro quem estava do lado dela nessa “nova fase” de sua vida. Criticou a direita, por ser tão moralista em alguns assuntos, mas ter “bandido de estimação”. Agradeceu os movimentos e congressistas de esquerda por ficarem ao lado dela.

Foi o suficiente para os seus próprios antigos colegas darem as costas para Patrícia: é o caso de Thiago Vanzeler, presidente estadual do PSC Jovem. Ele havia ajudado a jornalista a divulgar sobre o caso envolvendo o deputado nas redes sociais, com printscreens e o áudio publicado na semana passada pela Agência Democratize. Em entrevista antes do caso chegar na polícia, Thiago já havia dito para nossa equipe que estava confuso e não sabia ao certo “quem de fato era a vítima da história”.

Após a entrevista de Patrícia nesta segunda, ele postou em sua página pessoal: “Pedir por justiça para um esquerdista é a atitude mais débil mental que eu já vi. Se esquerdista fosse justo, seria de direita”. Nos comentários, uma jovem questiona o posicionamento do também deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), que havia dito que “como foi fora da Câmara, não tenho nada haver com isso”.

Outra pessoa que começou a atacar Patrícia foi sua ex-colega de partido, Sarah Winter.

A ex-FEMEN havia se hospedado em Brasília na casa de Patrícia no mês de junho deste ano. Na página oficial da jornalista, várias fotos juntas em eventos do PSC na capital federal. Agora, a situação mudou: ao contrário do que mostrava as fotos, Sarah disse em sua página oficial que “não houve um estreitamento de laço” entre as duas. A ex-FEMEN ainda acusa Patrícia de não ter se filiado ao PSC “devido a uma pendência no título de eleitor […] apenas participou de um evento (do partido) como convidada”.

Terminou seu post acusando Patrícia de ser mentirosa nos 4 dias em que conviveu com a jornalista: “No pouco tempo que convivi, percebi algumas mentiras as vezes bobas e desnecessárias, pensei na possibilidade de ser algum tipo de distúrbio psicológico”. Sarah ainda finaliza seu texto elogiando o suposto agressor: “Quanto ao pastor e Deputado Marco Feliciano, o acho um homem bom e ótimo parlamentar”.

Já a maioria páginas de direita nas redes sociais preferiu manter o silêncio em relação ao caso.

Com mais de 100 mil seguidores, a página “Bolsonaro Opressão” apenas compartilhou o vídeo feito pelo deputado Marco Feliciano, onde ele “quebra o silêncio” comentando sobre o caso para seus seguidores. Porém, nos comentários é possível entender o posicionamento dos militantes de direita diante do suposto estupro envolvendo o pastor.

Reprodução/Facebook

A página oficial do PSC Jovem de São Paulo também tem se posicionado contra Patrícia.

Recentemente, divulgaram a notícia de uma suposta armação feita pela jornalista para incriminar o deputado, com printscreens que ela teria enviado para Feliciano. A notícia é do site Blasting News, conhecido por suas manchetes sensacionalistas e pelo seu conteúdo duvidoso.

O problema é que os prints são falsos.

Divulgado pelo site Gospel Prime, trata-se de uma montagem. Em uma das imagens, Patrícia aparece enviando uma mensagem às 20h22. Porém quando aparece a outra imagem, a mensagem supostamente enviada por Patrícia aparece às 16h22. Além disso, quem “montou” a suposta conversa utilizou como base materiais e informações já divulgadas anteriormente nas redes sociais, como o fato de ambos terem se encontrado na CPI da UNE, fotos da própria página de Patrícia no Facebook, além de imagens facilmente encontradas no Google da jovem — que também é modelo.

Mesmo assim, com amplo compartilhamento nas redes sociais, poucos que tiveram acesso ao conteúdo sabem que o material é forjado. Veja os dois prints: o primeiro, e o segundo.

Notícia falsa envolvendo Patrícia | Reprodução/Facebook


Francisco Toledo é co-fundador e fotojornalista pela Agência Democratize em São Paulo

By Democratize on August 9, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: