Decisão parte do próprio deputado Waldir Maranhão (PP), que havia pedido a anulação da sessão que votou o impeachment na Câmara. Segundo…

Anulada a anulação de impeachment: o espetáculo em Brasília

Anulada a anulação de impeachment: o espetáculo em BrasíliaDecisão parte do próprio deputado Waldir Maranhão (PP), que havia pedido a anulação da sessão que votou o impeachment na Câmara. Segundo…


Anulada a anulação de impeachment: o espetáculo em Brasília

Foto: Gustavo Lima

Decisão parte do próprio deputado Waldir Maranhão (PP), que havia pedido a anulação da sessão que votou o impeachment na Câmara. Segundo fontes dos bastidores, ela acontece justamente por conta do isolamento do deputado, já que o senador Renan Calheiros se posicionou contra a anulação.

A novela do impeachment parace não cansar, mesmo faltando dias para a votação no Senado Federal.

Na manhã desta segunda-feira, o deputado e presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP), resolveu anular a sessão que votou o pedido de impeachment da presidenta pela Casa, ocorrido no dia 17 de abril. A decisão partiu após uma reunião com o advogado-geral da União, José Cardozo.

Era esperado pelos bastidores no governo que a decisão de Maranhão acabasse influenciando o presidente do Senado e antigo aliado de Dilma Rousseff, o senador Renan Calheiros (PMDB).

Mas, não foi isso que aconteceu.

Calheiros se posicionou contra a medida de Maranhão, afirmando que o Senado dará andamento aos trabalhos conforme o planejado pela Casa, com votação em plenário marcada para esta quarta-feira, dia 11.

Isolado politicamente, e sofrendo risco de perder o cargo de presidente interino — com a possibilidade de uma expulsão por parte do seu partido, o Partido Progressista, Maranhão recuou na noite desta segunda-feira.

No documento abaixo, o deputado anula o próprio pedido de anulação da sessão ocorrida no dia 17 de abril na Câmara dos Deputados.

Desta forma, é como se toda as especulações desta segunda-feira fossem invalidadas, da noite pro dia.

Não valem mais nada.

A imprensa, em partes, afirmava que se tratava de um “jogo de Cunha”.

Possível. Maranhão é conhecido por ter feito parte de sua base de sustentação na Câmara dos Deputados. Homem de confiança de Cunha, foi ele um dos responsáveis por ter blindado o deputado do PMDB no Conselho de Ética da Casa.

Talvez, Cunha estivesse querendo chamar a atenção do vice-presidente Michel Temer. Um último sinal avisando: eu posso mudar as peças do jogo se quiser, tomem cuidado.

Ao mesmo tempo, Maranhão foi um dos deputados do PP que no dia 17 já havia votado contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, seguindo o oposto defendido por Cunha. Portanto, são meras especulações.

No final das contas, o jogo que havia “virado”, virou novamente pro novo dono da casa. A votação do impeachment no Senado deve continuar sendo nesta quarta-feira, dia 11. A tendência também deve ser a mesma: vitória do impeachment, seguindo o afastamento da presidenta Dilma Rousseff.

By Democratize on May 10, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: