Foto: Reprodução/Google

Aliado do liberal MBL, ministro quer gastar quase R$200 mil com lanches em voos da FAB

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), quer gastar até R$200 mil de dinheiro público para “lanchar em voos da FAB”. O pedido aparece em um edital de licitação, detalhando que o ministro “precisa de conforto e refeições à base de frutos do mar e salada caprese nos voos”, como forma de “aumentar a eficiência”. Mendonça é aliado próximo do Movimento Brasil Livre, que defende corte de gastos do Estado.

Mesmo com escolas e universidades ocupadas ao redor do país contra a PEC 55/241 – projeto que visa congelar por pelo menos 20 anos o orçamento de Educação e Saúde -, o atual ministro do MEC, Mendonça Filho, não parece estar tão preocupado com gastos secundários em seu ministério.

Após criminalizar a mobilização estudantil, e reforçar o discurso do presidente Michel Temer (PMDB) sobre a “necessidade de cortar gastos”, o ministro quer utilizar do dinheiro público para “aumentar a sua eficiência” com gastos de até R$200 mil por ano para que ele e sua equipe possam lanchar com qualidade durante os voos nos jatinhos da Força Aérea Brasileira, a FAB.

A informação apareceu na semana passada, em um edital de licitação divulgado pelo próprio MEC, com o objetivo de fornecer serviços de alimentação, 24 horas por dia, sete dias por semana, nos voos de Mendonça Filho. Segundo o documento, tal “investimento” é necessário para “aumentar o conforto” do ministro durante as viagens: “Esta contratação tem como objetivo possibilitar ao MEC viagens aéreas mais confortáveis e com recursos próprios quando da utilização em aeronvaes, prover também alimentação e serviços de bordos às aeronaves que atendem ao Senhor Ministro da Educação”. A decisão final sobre qual empresa será contratada pela licitação será divulgado no final deste mês de novembro.

Tecnicamente, ministros e servidores já possuem direito a diários quando viajam, incluindo valores para a própria alimentação. O valor determinado chega a ser de até R$580. Segundo a revista Época, Mendonça Filho já havia recebido deste valor cerca de R$10 mil desde junho.

Segundo o próprio ministro, quando questionado pela revista se a informação procedia ou não, ele teria dito que “não sabia da existência de tal edital”.

O valor absurdo para tal extravagância parte do principal aliado do Movimento Brasil Livre, grupo liberal que foi responsável pelas manifestações contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Mendonça Filho cumpre papel vital para o grupo dentro do governo Temer, sendo o ministro com mais proximidade do grupo, participando de eventos, gravando vídeos e dividindo os carros de som durante os protestos – antes da retirada de Dilma do poder.

Foto: Felipe Malavasi/Democratize
Foto: Felipe Malavasi/Democratize

Não por acaso, Mendonça ficou conhecido nas redes sociais após ceder espaço em sua agenda para uma “importante reunião” com representantes de outro grupo pró-impeachment, o Revoltados On Line. Na reunião, representando o grupo, estava o ex-ator pornô Alexandre Frota, que teria encaminhado “diversos projetos para a Educação” ao ministro.

O MBL é um dos maiores defensores do corte de gastos do Estado, promovidos pelo presidente Michel Temer. Contra as ocupações nas escolas, o grupo chegou a mobilizar nacionalmente seus principais integrantes para participar e promover atos violentos contra os estudantes, chegando a resultar em confrontos físicos no estado do Paraná. A atitude do MBL pode ser explicada pela sua relação com o próprio ministro da Educação – tornando assim apenas um “retorno político” aos favores prestados pelo governo Temer e principalmente por Mendonça Filho ao MBL.

 

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: