Diferente do dia 17 de abril, quando a Câmara dos Deputados votou o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, nesta quarta…

A Paulista dividida em duas durante noite de impeachment no Senado

A Paulista dividida em duas durante noite de impeachment no SenadoDiferente do dia 17 de abril, quando a Câmara dos Deputados votou o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, nesta quarta…


A Paulista dividida em duas durante noite de impeachment no Senado

Foto: Gustavo Oliveira/Democratize

Diferente do dia 17 de abril, quando a Câmara dos Deputados votou o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, nesta quarta-feira (11) a Avenida Paulista será dividida em duas: manifestações contra e a favor o afastamento da presidenta devem trazer clima de tensão no local.

Nesta quarta-feira, dia 11 de maio, o Senado Federal deve decidir o futuro da presidenta Dilma Rousseff em votação pelo impeachment. A tendência é que o afastamento seja confirmado, com pelo menos 50 votos a favor.

Apesar disso, desta vez a cidade de São Paulo não será dividida como foi feita no 17 de abril, quando a Câmara dos Deputados votou o processo.

Naquela data, manifestantes pró-governo realizaram um ato com dezenas de milhares de pessoas no Vale do Anhangabaú, região central da capital. Na Paulista, foram os manifestantes pró-impeachment que ocuparam a via mais importante da cidade. Hoje não. Vai ser um do lado do outro.

Manifestantes já estão concentrados em frente ao prédio da Fiesp, de forma espontânea, para “comemorar” a vitória do impeachment da presidenta. O Movimento Brasil Livre, até o momento, não convocou e nem confirmou qualquer mobilização do grupo em São Paulo para hoje — assim como os demais principais movimentos pró-impeachment, como o Vem pra Rua.

Do outro lado estão os manifestantes contra o impeachment, que devem se mobilizar a partir das 18 horas no vão livre do Masp.

Foto: Gustavo Oliveira/Democratize

Pela pequena distância entre os dois grupos, é esperado um clima de tensão na Paulista nesta noite de quarta-feira.

Na segunda-feira desta semana, após presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP), anular a votação do impeachment pela Câmara dos Deputados, mais manifestações também ocorreram na Paulista. Grupos contra e a favor da decisão de Maranhão estiveram concentrados nos mesmos lugares de hoje. Não houve conflito, apesar das hostilidades e de ações truculentas da Polícia Militar contra manifestações no vão livre do Masp.

Mais cedo, o Democratize esteve no acampamento pelo impeachment localizado em frente ao prédio da Fiesp, na Paulista.

Com bastante mídia estrangeira no local, os acampados evitaram em falar sobre “golpe” e focaram no que chamaram de “importância democrática” simbolizada no processo de impeachment contra Dilma.

Em Brasília, manifestantes contra o impeachment organizaram uma “ocupação no Senado”, que tem como objetivo questionar a legalidade da votação e se mobilizar “contra o Golpe”.

Mais uma vez, os grupos pró-impeachment não oficializaram nenhuma mobilização até mesmo em Brasília na data de hoje.

Para continuar acompanhando as notícias desta data histórica, curta a nossa página no Facebook e fique de olho nas atualizações.

By Democratize on May 11, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: