Enganam-se aqueles que afirmam que a Operação Lava Jatou “parou” após a votação do impeachment, no dia 17. O que aconteceu, de fato, foi…

A Lava Jato não parou depois do impeachment: as pessoas que deixaram de compartilhar

A Lava Jato não parou depois do impeachment: as pessoas que deixaram de compartilharEnganam-se aqueles que afirmam que a Operação Lava Jatou “parou” após a votação do impeachment, no dia 17. O que aconteceu, de fato, foi…


A Lava Jato não parou depois do impeachment: as pessoas que deixaram de compartilhar

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Enganam-se aqueles que afirmam que a Operação Lava Jatou “parou” após a votação do impeachment, no dia 17. O que aconteceu, de fato, foi ainda mais curioso: segundo levantamento de grupo de monitoramento político nas redes, foram as pessoas que perderam interesse e deixaram de compartilhar as informações.

Nas duas últimas semanas, você deve ter percebido que tanto no Facebook como no Twitter, a Operação Lava Jato parece ter sumido, não?

Alguns já culpam a mídia pelo sumiço. Outros ainda alegam que é o juiz Sérgio Moro que já não se interessa mais nas investigações.

Na realidade, não é bem assim.

O “monitor do debate político no meio digital” levantou que, na realidade, são as pessoas que estão deixando de compartilhar as notícias relacionadas ao andamento da Lava Jato. O grupo monitora 117 fontes jornalísticas e de opinião da grande imprensa, do jornalismo digital e da imprensa alternativa de esquerda e de direita.

Segundo uma postagem da página do grupo, três dias após a votação (17), eles fizeram um levantamento para verificar se realmente a imprensa ou a própria Polícia Federal haviam perdido o interesse nos rumos da operação.

“A primeira descoberta é que a produção de matérias em que a Lava Jato aparece na manchete ou no lead/ resumo da notícia não teve variação significativa — ela apenas diminuiu na véspera e no dia da votação e depois retornou ao mesmo patamar”. Veja o gráfico abaixo.

Reprodução/Facebook

Foi na quantidade de compartilhamentos de matérias sobre a Lava Jato que o grupo encontrou uma drástica mudança: “Após a votação, o compartilhamento de matérias sobre a Lava Jato no Facebook despencou”.

Porém, eles acreditam que não foi apenas a Lava Jato que “sumiu” nos compartilhamentos, e sim os debates sobre política em geral. “Após o impeachment, o volume de compartilhamento de matérias diminuiu muito, reduzindo para menos de 1/3 do nível pré-impeachment. Assim, não foi o assunto Lava Jato que morreu, foi o compartilhamento de matérias políticas que arrefeceu como um todo”.

Mas, quem seria o culpado por esse repentino “desinteresse” das pessoas sobre política em geral, ou até mesmo sobre a Lava Jato?

Em partes, podemos responsabilizar os políticos da oposição e dos movimentos de rua pelo impeachment.

Se formos contabilizar o número de seguidores das três principais páginas dos movimentos de rua (Movimento Brasil Livre, Revoltados On Line e Vem Pra Rua), chegaremos ao número de 4.034.336 seguidores. Basta observarmos o tipo de conteúdo publicado na semana pré-impeachment e posteriormente pelas páginas para descobrirmos que links de notícias sobre política e sobre a Lava Jato “sumiram” de seus perfis.

Por exemplo, o Movimento Brasil Livre nas duas últimas semanas tem priorizado postagens de auto-promoção, como você pode ver abaixo.

O impeachment é só o começo. Ainda temos um …
O impeachment é só o começo. Ainda temos um trabalho de meses a ser feito no Senado, mas o planejamento pós-Dilma já …www.facebook.com

O tom muda depois do impeachment ser votado pela Câmara.

No dia 12 de abril, o movimento deu importante destaque para a 28ª fase da Operação Lava Jato. Além de um compartilhamento bem mais expressivo de reportagens e matérias sobre corrupção e política — até mesmo de páginas alternativas de direita, como é o caso do O Antagonista.

A queda brusca em compartilhamentos de notícias sobre a Lava Jato também pode ser responsabilizada pelo tipo de conteúdo publicado em páginas de nomes fortes da oposição.

Assim como os grupos pró-impeachment, juntamos os 3 nomes da política com mais seguidores entre aqueles que defendem a saída da presidenta Dilma Rousseff: o deputados Jair Bolsonaro e Marco Feliciano e o senador Ronaldo Caiado.

Juntos, eles somam cerca de 7.236.392 seguidores apenas no Facebook.

Analisamos o perfil do deputado Jair Bolsonaro, do PSC, e constatamos a mesma tendência. Nas duas últimas semanas, a maioria das postagens da página do deputado focaram na polêmica sobre o “cuspe de Jean Wyllys” e a sua homenagem para o torturador General Ustra durante a votação no dia 17.

Porém, na semana pré-impeachment, as postagens mesclavam entre auto-promoção e ataques contra o governo e lideranças petistas, como no vídeo abaixo.

Vale ressaltar que as postagens e “denúncias” publicadas em perfis de Facebook dos deputados que fazem front pelo impeachment e pelo anti-petismo são basicamente a “fonte” de muitos portais alternativos da direita, como a Folha Política, que geralmente replica conteúdos questionáveis que surgem de páginas sensacionalistas nas redes sociais.

Portanto, chegamos à conclusão que a Operação Lava Jato não parou, e até mesmo a mídia corporativa continua noticiando da mesma forma os acontecimentos e novidades da força-tarefa.

O que realmente mudou em menos de 2 semanas foi o interesse do brasileiro nas redes sociais sobre o tema. Talvez influenciados pelas páginas que possuem maior número de seguidores, ou até mesmo pela falsa sensação que o impeachment proporciona, como uma solução fácil a curto prazo, que na realidade pode se tornar algo muito mais complicado com o passar do tempo.

By Democratize on April 27, 2016.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: