Foto: Beatriz Villarino

A fotografia que quebra os padrões impostos pela sociedade

O projeto “Sou.”se destaca no cenário alternativo da arte carioca e destaca a pluralidade das pessoas.

Uma das revelações artísticas do cenário alternativo do Rio de Janeiro em 2016 foi à fotógrafa Beatriz Villarino. A estudante de fotografia mostra muita habilidade, técnica e sensibilidade no “Sou.”. O projeto tem como propósito apresentar personalidades únicas.

A finalidade é mostrar pessoas que realmente existem que se destacam por ser quem são e merecem serem reconhecidas pelos seus desejos, lutas e conquistas. Além de apresentá-las, o “Sou.” objetiva capturar a essência e traços de cada indivíduo. Junto a isso, toda a sua personalidade envolvida. O projeto surgiu em 2016 e já conta com 5 ensaios publicados.

Batemos um papo com a Beatriz e conversamos sobre a carreira, o projeto e o futuro da fotografia. Confira abaixo a entrevista completa:

Foto: Beatriz Villarino
Foto: Beatriz Villarino

Quem é a Beatriz Villarino?

Beatriz Villarino é uma jovem adulta de 20 anos que corre atrás do que quer, que se esforça, que tenta pensar fora dos padrões. Alguém que busca seu espaço no mundo mostrando sua arte.

Como surgiu o seu interesse pela fotografia?

Eu sempre soube que queria fazer fotografia. No colégio, eu ganhei uma câmera semi-profissional do meu pai. Mas antes disso eu já sabia que o meu futuro era com a fotografia.

E depois da escola você ingressou no curso de fotografia? Como foi?

Não. Eu estudava cinema antes de cursar fotografia, pois não sabia que existia curso de fotografia. Desde a época da escola eu queria estudar cinema por causa da fotografia. Estudei o primeiro período do curso de cinema, até descobrir a existência do curso de fotografia na própria Estácio de Sá. Percebi que iria mexer com fotografia analógica e freqüentar os laboratórios. Esses fatores também influenciaram para eu trocar o cinema pela fotografia.

Infelizmente, existe preconceito com vários tipos de profissão. Muitos me criticaram quando eu disse que iria estudar jornalismo, por exemplo. Como a sua família reagiu quando você disse que queria estudar fotografia?

Os meus pais sempre me apoiaram. Desde o começo eles perceberam as minhas habilidades com a câmera.

Na minha família, por exemplo, eu sou o único jornalista. A maioria é composta por advogados e professores. Alguém da sua família é fotógrafo ou trabalha com algo do tipo?

Ninguém. Na minha família tem profissionais da advocacia, engenharia, medicina etc. Sou a única que trabalha na área artística.

Foto: Beatriz Villarino
Foto: Beatriz Villarino

As minhas referências no fotojornalismo são o Sebastião Salgado e Robert Capa, por exemplo. Você também deve ter algumas referências na fotografia. Quais são?

Annie Leibovitz, Yu Tsai, Fernando Schlapfer, Bernardo Moreira e Larissa Dare são alguns fotógrafos que eu admiro. Eles têm um jeito diferente de abordar a arte fotográfica.

O que te levou a fazer o projeto “Sou.”?

Eu nunca tinha feito um projeto fotográfico antes. Uma vez dois amigos estavam conversando e elogiando o meu trabalho. Um deles sugeriu que eu deveria cria um projeto no estilo Squad Agency. Eu gostei da ideia e criei o projeto.

Verdade! Agency Saquad faz bem o seu estilo. Ela é o primeiro coletivo de street casting e digital influencers do Brasil. Ela de certa forma influencia o seu trabalho?

Há tempos atrás influenciava, hoje em dia não mais. Depois do projeto “Sou.”, eu comecei a voltar muito para mim, pois comecei a me inspirar em tudo que vinha da minha criatividade. Antes, eu buscava muitas referências para qualquer coisa que fazia, mas nesse projeto eu resolvi tirar tudo da minha mente e só utilizar aquilo que vem de mim. Estou me surpreendendo com os resultados.

Que bom! São poucas pessoas que realmente fazem isso. Geralmente, elas tiram inspiração de um fator externo. Mas você trabalharia na Agency Cating?

Sim! Eu já enviei o meu currículo para a Squad!

Boa sorte! Mas Beatriz, qual é o propósito do “Sou.”?

O meu propósito é mostrar as pessoas que parecem ser comuns, mas na verdade elas são diferentes. Exemplo: uma pessoa que estuda arqueologia e toca harpa. Nunca iria imaginar que aquela pessoa que estuda arqueologia toca harpa. Entende?!

Sim! Eu entendi. Mas fiquei curioso com uma coisa… como você faz o casting de modelos?

Geralmente, eu pesquiso nas redes sociais ou os meus amigos me indicam. Acontece também das pessoas verem o meu projeto e querer participar.

E quantos ensaios do seu projeto você já fez? Qual deles mais mexeu com ti?

Até agora eu já fiz cinco ensaios. Cada um mexeu comigo de uma forma diferente.

Foto: Beatriz Villarino
Foto: Beatriz Villarino

O “Sou.” Vai parar nesse final de ano e continuar no ano que vem? Como vai ser?

A meta era terminar esse ano, mas gostei tanto de fazer o projeto que acho que darei continuidade ano que vem.

O que você espera do projeto? Qual legado pretende deixar?

Pretendo mostrar pro mundo, fazer com que as pessoas vejam que todo mundo tem algo de diferente, quero mostrar que mesmo com tanta gente padronizada, existem pessoas que querem quebrar esses padrões impostos pela sociedade. Quero um dia eu possa expor em algum lugar, como um presente tanto para mim quanto para todos os que participaram e ainda vão participar. Depois de deixar a minha mensagem com esse projeto por aí, com certeza vou querer fazer outros!

Antes de encerrar a entrevista eu gostaria de te fazer mais uma pergunta: em uma entrevista ao G1, o Sebastião Salgado disse que a fotografia deve viver mais 20 ou 30 anos e depois disso terá outro nome. Você concorda com ele? O que você acha sobre o futuro da fotografia?

Acho que o futuro da fotografia será grandioso. O mercado só tem aumentado hoje em dia, a digitalização da fotografia só aumenta. Hoje em dia uma foto tirada com uma câmera pode ser facilmente transferida para um celular sem nenhum auxilio de fios, podendo ser postada em qualquer rede social no exato momento. Nos anos 80/90 nós ainda tínhamos o costume de levar o rolo de filme a uma reveladora e ficar extremamente ansiosos para ver as fotos e ainda assim, só poder mostrá-las pessoalmente. Acho que a fotografia ganhará novos meios de ser praticada, pode até ganhar novos nomes ao longo das práticas, porém no fim de tudo, nós sempre voltamos ao básico: sempre será fotografia.

Contatos
E-mail: beatrizvillarinofotos@hotmail.com
Site do projeto: www.projetosou.tumblr.com

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: