1984, romance escrito por George Orwell, ilustra a vida em uma nação dominada pelo medo, e como o poder se aproveita disso para determinar…

1984 em 2015: Marcha pelo Clima na França resulta em 200 prisões

1984 em 2015: Marcha pelo Clima na França resulta em 200 prisões1984, romance escrito por George Orwell, ilustra a vida em uma nação dominada pelo medo, e como o poder se aproveita disso para determinar…


1984 em 2015: Marcha pelo Clima na França resulta em 200 prisões

Foto: Laurent Cipriani / AP

1984, romance escrito por George Orwell, ilustra a vida em uma nação dominada pelo medo, e como o poder se aproveita disso para determinar o fim de liberdades civis em um eterno estado de exceção. Neste domingo, em Paris, os franceses assistiram ficção se tornando realidade, com mais de 200 prisões na proibida marcha pelo clima.

O estado de exceção determinado por François Hollande, presidente da França, é resultado direto do recente ataque terrorista realizado pelo Estado Islâmico em Paris, onde mais de 150 pessoas foram brutalmente assassinadas no dia 13 de novembro deste ano.

Manifestações públicas, independente de possuir caráter político ou não, estão proibidas em todo o país. Porém, também neste fim de semana, começou o COP 21, um dos maiores eventos sobre mudança climática do mundo, que reúne centenas de chefes de Estado — justamente em Paris.

Tradicionalmente, todo ano é realizada uma Marcha Internacional pelo Clima, feita de forma simultânea com o evento da COP 21 — que o Democratize cobrirá direto de Paris neste ano. Dezenas de capitais ao redor do mundo tiveram manifestações sobre o assunto, seguidas de debates e apresentações. Em Paris não poderia ser diferente. Mas foi.

O estado de exceção decretado por Hollande — e com apoio de praticamente todos os partidos e parlamentares — não permitia que a Marcha pelo Clima fosse realizada em Paris neste domingo (29). Mesmo assim, milhares de pessoas atenderam ao chamado de diversas organizações ambientalistas, e tentaram ocupar as ruas da capital francesa. O resultado foi trágico e lastimável.

Christophe Ena / AP

Mais de 200 pessoas acabaram sendo detidas pela força de segurança francesa, que fez tudo o possível para impedir a marcha. Bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral também foram usadas, além de spray de pimenta pelos policiais. O AVAAZ, uma das principais organizações que participam anualmente da mobilização, criticou a máquina repressiva do governo francês, exigindo a soltura dos manifestantes. Segundo o próprio AVAAZ, o número de feridos ainda não é certo.

Trata-se de mais uma das ofensivas do governo Hollande contra a privacidade e direitos individuais dos cidadãos franceses, que devem passar por uma espécie de americanização de suas vidas pós-terrorismo: militarização da sociedade, restrição de direitos básicos como ir e vir, maior repressão policial contra ocupações e manifestações políticas, entre outros.

A chamada guerra ao terror declarada pelo presidente francês, teve justamente como primeira vítima a própria população de seu país.

O Democratize estará na França no mês de dezembro para registrar as demais mobilizações referentes ao clima e da COP 21, além de reportagens especiais sobre os refugiados, terrorismo e extrema-direita.

By Democratize on November 30, 2015.

Exported from Medium on September 23, 2016.

Posts Relacionados

On Top
error: Para reproduzir o conteúdo do Democratize, entre em contato pelo formulário.
%d blogueiros gostam disto: